Governo abre chamada pública para financiar pesquisas contra coronavírus

Pesquisadores de todo o país já podem inscrever projetos de enfrentamento ao coronavírus (COVID-19) para receber recursos do Governo Federal. Por meio de uma parceria entre os ministérios da Saúde (MS) e de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), serão investidos R$ 50 milhões no financiamento das linhas temáticas, que incluem o desenvolvimento de novos métodos de prevenção e controle, diagnóstico, tratamento e desenvolvimento de vacinas contra coronavírus e outras doenças respiratórias.

As propostas podem ser encaminhadas até o dia 27 de abril na Plataforma Carlos Chagas. O resultado final será divulgado em 15 de junho de 2020. Podem participar pesquisadores que tenham o título de doutor ou livre docência e que sejam vinculados a Instituições Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT), públicas ou privadas, sem fins lucrativos.

Devido à emergência de saúde pública provocada pela infecção por coronavírus, as pesquisas contratadas por essa chamada pública devem informar seus resultados parciais e finais ao longo do desenvolvimento. Isso porque suas evidências serão relevantes para a tomada de decisão e também para a gestão em saúde no atendimento de pacientes e contenção da transmissão da doença. O banco de dados dos estudos também deverá ser disponibilizado ao Ministério da Saúde, quando solicitado.

Linhas de pesquisa apoiadas

As propostas apresentadas devem seguir um dos temas definidos pela chamada. São eles:

1. Tratamento:
– Estudos para avaliação de alternativas terapêuticas para a COVID-19.

2. Vacinas:
– Estudos para desenvolvimento de vacinas preventivas e/ou terapêuticas contra COVID-19.

3. Diagnóstico:
– Aprimoramento e desenvolvimento de novos testes diagnósticos para COVID-19; e
– Avaliação da acurácia de testes diagnósticos para COVID-19.

4. Patogênese e História Natural da Doença:
– Desenvolvimento de estudos para avaliação da patogênese e da história natural da doença causada por SARS-CoV-2.

5. Carga de Doença:
– Desenvolvimento de estudos para avaliação da carga de doença da COVID-19.

6. Atenção à Saúde:
– Estudos para avaliação da atenção à saúde nos três níveis de complexidade frente à epidemia de COVID-19.

7. Prevenção e Controle:
– Avaliação do uso de EPI na prevenção, controle e manejo da COVID-19 e outras síndromes respiratórias agudas graves;
– Estudos sobre abordagens efetivas e viáveis para promover aceitabilidade, adesão e cumprimento das medidas de prevenção e controle da COVID-19 e outras síndromes respiratórias agudas graves na população;
– Estudos sobre estratégias de boa comunicação e prevenção de notícias falsas (fake news) da COVID-19 e outras síndromes respiratórias agudas graves para a população;
– Estudos para avaliação da vigilância em saúde do COVID-19 e outras síndromes respiratórias agudas graves; e
– Estudos para avaliação da efetividade de intervenções não farmacológicas frente à epidemia de COVID-19 e outras síndromes respiratórias agudas graves.

Faixas de financiamento.

Nas linhas 1, 2, 3 e 4, serão apoiados projetos com valor máximo de R$ 2 milhões. Quando envolver ensaios clínicos, o valor máximo será de R$ 8 milhões, incluindo recursos de Custeio, Capital e Bolsas.

Para as demais linhas de pesquisa, o valor máximo das propostas será de R$ 2,5 milhões, incluindo recursos de Custeio, Capital e Bolsas.

Serão priorizados projetos desenvolvidos em rede ou multicêntricos, que poderão ter valores superiores aos já mencionados, a partir de avaliação de mérito científico e relevância sócio sanitária.

Além disso, poderão ser destinados até R$ 500 mil para a contratação de estudos secundários, como revisões sistemáticas e avaliações econômicas.

Fontes: Ministério da Saúde e CNPq

Mais informçãoes: http://www.cnpq.br/web/guest/chamadas-publicas?p_p_id=resultadosportlet_WAR_resultadoscnpqportlet_INSTANCE_0ZaM&filtro=abertas&detalha=chamadaDivulgada&idDivulgacao=9382

[Postado em 9/4/2020 | 403 visualizações]




Quem leu, também se interessou por...