Fazendo História | Educação Ambiental: do presencial ao virtual

"Meu trabalho antes da pandemia envolvia o contato direto com o público, atendendo escolas, aplicando atividades no centro de educação ambiental e executando técnicas para garantir o bem-estar animal. Além da conscientização junto aos visitantes, minha rotina envolve a documentação dos animais do plantel.

Quando começou a quarentena, eu estava de férias. No retorno, o zoológico estava fechado para a visitação. O trabalho de educação ambiental, que era de contato direto com o público, passou a ser virtual. Nossa interação começou a ser realizada por meio da produção de vídeos para as redes sociais. Depois, o parque foi reaberto com uma série de protocolos de segurança. Com a necessidade de buscar inovações, nasceu um projeto que será executado com o objetivo de maior segurança para visitantes e equipe. Uma visita autoguiada totalmente por meio de áudios e vídeos.

Na minha área, atuamos na conservação da biodiversidade. No zoológico temos a oportunidade de aproximar as pessoas com os animais e plantas, levando a compreender que tudo ao nosso redor é o meio ambiente. Relatamos como as ações antrópicas

interferem na proteção da fauna, mas, também a contribuição dos zoológicos em programas de reprodução e reintrodução de espécies ameaçadas.

As minhas expectativas é que as pessoas passem a valorizar e respeitar mais o meio ambiente e contato com a natureza. Espero impactos positivos, como maiores oportunidades de vagas, aumento de bolsas no incentivo à pesquisa científica".

Relato da Bióloga Tatiane Takahashi Nunes (CRBio 050258/03-D), responsável técnica do GramadoZoo.

[Postado em 10/8/2020 | 157 visualizações]




Quem leu, também se interessou por...